Mídia

30/05/18 - Escritor revela que divide a senha de celular com a mulher e post viraliza

Cronista Fabrício Carpinejar e sua esposa, Beatriz Reys, têm livre acesso aos aparelhos um do outro. Especialista discute se essa prática é saudável ou não

(Matéria de Ana Carolina Soares publcada no blog "O Sexo e A Cidade" da revista Veja São Paulo)

Carpinejar e a mulher, Beatriz Reys: texto romântico provoca discussão na internet (Reprodução/Veja SP)
Carpinejar e a mulher, Beatriz Reys: texto romântico provoca discussão na internet (Reprodução/Veja SP)

Um post do escritor Fabrício Carpinejar viralizou na internet por causa de uma declaração bem polêmica. O autor afirmou que deu a senha de seu celular a sua mulher (a advogada Beatriz Reis, com quem está desde 2016) e ele também tem livre acesso ao aparelho dela. “É uma das mais deliciosas sensações do amor: a confiança”, escreveu em sua “mini-crônica” virtual na quinta (24).

Em uma semana, o post teve quase 70 000 compartilhamentos e 110 000 curtidas. A maioria aprovou o “desapego” do casal, mas muitos questionaram. Ter ou não ter a “senha do celular” do par virou um dilema tão atual que até rendeu hit de música sertaneja. “Não existe uma regra, cada casal constrói sua relação”, diz a terapeuta Graça Tessarioli. Ao lado do marido, Paulo Tessarioli, também terapeuta, ela idealizou a Associação Brasileira dos Profissionais de Saúde, Educação e Terapia Sexual (Abrasex).

“O casal que compartilha senhas normalmente possui uma relação de muita intimidade e cumplicidade”, conta. Mas ela ressalta: “Não se trata de uma obrigação. Muitas pessoas prezam por uma individualidade, independência, e tudo bem também. Não é para o outro ter crises de ciúmes ou ficar desconfiado só porque a pessoa amada não quis abrir esse código”, completa a profissional, que, aliás, também divide todas as codificações de celulares e cartão de crédito com o marido. “Somos casados há mais de 25 anos e compartilhamos esses recursos com naturalidade”.